terça-feira, 2 de junho de 2009

Sem título

São realmente espantosas as diferenças entre os povos!

Acabei de ver no noticiário as útimas notícias sobre a terrível tragédia com o avião da Air France, que dão conta do avistamento de destroços e manchas de óleo a cerca de 700km de Fernando Noronha.

Já por volta das 13 horas tinha visto as notícias, e já achei curioso que, na reportagem que passou em directo do aeroporto de onde saiu o avião, a jornalista dava conta de uma certa surpresa dos brasileiros por o presidente Sarkozy já assumir tratar-se de uma tragédia, quando ainda nada estava esclarecido.

Mas agora, mesmo depois de ter passado todo este tempo, depois de já haver provas de que o avião se despenhou, a mesma jornalista deu conta dos sentimentos de muitos brasileiros, inclusive familiares e amigos dos passageiros do avião, que continuam optimistas, ainda com esperança que haja sobreviventes.

Realmente é notável o optimismo do povo brasileiro! Eu sei que sou suspeita, porque nós, os portugueses, somos precisamente conhecidos pelo nosso pessimismo, a nossa angústia, aliás tão bem expressa nesse género de música que é o fado (sendo que fado também é sinónimo de destino...). E se calhar é como portuguesa que agora falo, mas sinceramente acho incrível que, passado todo este tempo, ainda haja pessoas que acreditem que haja sobreviventes. Claro que isso seria maravilhoso, mas eu diria que é, no mínimo, bastante improvável, acreditando mesmo, lá no fundo, que isso é impossível.

Claro que os franceses, também tão diferentes dos brasileiros, já há muito que deram o caso como tendo tido um desfecho fatal. Também compreendo que as famílias das vítimas se queiram agarrar a uma esperança até terem certezas, ainda por cima num caso destes, que continua envolto no mais profundo mistério.

Eu compreendo tudo isso, e aliás posso acrescentar que neste momento estou angustiadíssima, só de imaginar o que terá na verdade acontecido, se as pessoas sofreram muito, etc. Como alguns de vocês sabem, eu tenho pavor de andar de avião, e quando acontecem coisas destas, penso logo que não vou conseguir mesmo entrar nunca mais num bicho voador.

Sem querer entrar em brincadeiras, até porque o caso não é para isso, mas na mesma reportagem disseram que cerca de 1/3 da população tem medo de voar, o que me fez sentir melhor, por não ser caso isolado. Mas acabei por me lembrar da figura que fiz na única viagem de avião que fiz (Lisboa-Madrid - 1 hora), em que a minha irmã passou um martírio porque eu fui quase o tempo todo de olhos fechados, a perguntar "o que é que se passa?", "o que é que está a acontecer?", de cada vez que sentia uma "leve" trepidação. Mas parece que isso é natural nos casos de medo de voar, porque os elevados níveis de ansiedade levam a que a pessoa julgue perigosas situações que são normais num voo.

Mas eu, apesar do pânico que sinto só de pensar em entrar num avião, até andava entusiasmada por viagens, porque há umas semanas que voltei a ter acesso ao canal "Travel", e tenho visto reportagens tão encantadoras, que até já tinha dito que queria ir ao Peru (vi uma reportagem que me deixou apaixonada pela cidade de Lima). Imaginem, devem ser umas 10 horas lá em cima...

Bem, mas voltando ao que me levou a vir aqui escrever, o que mais me surpreendeu foi a diferença entre uma Europa perfeitamente convicta de que se trata de uma tragédia sem nenhuma hipótese de algum desfecho positivo, e um Brasil (não digo todo, nunca se pode generalizar) que ainda acredita que possa haver um final feliz para algum dos passageiros do A 330.

Tanto que nos une e tanto que nos separa.

15 comentários:

Sónia Alexandra disse...

Um acontecimento triste e que abala todos quanto ouvem estas notícias. JINHOS

ameixa seca disse...

Eu sou daquelas cuja esperança é a última a morrer. Até existir uma confirmação é natural que as pessoas tenham fé porque é a única coisa que vai mantendo viva a pessoa que estará possivelmente morta!
Em jeito de brincadeira e sem querer ferir susceptibilidades, a primeira coisa que eu disse quando vi que isto tinha acontecido foi que iam aparecer todos na próxima sério dos "Lost" :)

Cláudia M. disse...

Ai, Ameixa Maria, só tu! Mas realmente que coisa mais estranha, nem comunicaram qualquer avaria nem nada, foi mesmo uma coisa super rápida! É arrepiante.

Mari disse...

Claudia, foi uma tragédia horrivel o q aconteceu. Mesmo sendo brasileira - e me considerando uma pessoa bastante otimista, sei que lamentavelmente não há sobreviventes nesse vôo... ver homens, mulheres, crianças, famílias inteiras vitimadas por um acontecimento tão trágico, me deixa triste demais da conta. Me boto no lugar dos familiares dessas pessoas... que Deus lhes dê força para suportar a dor da perda.
Bjo grande,

Mari

Heloísa disse...

Cláudia,
Não sei o que comentar. Vivi de perto uma situação semelhante a essa quando, há quase dois anos, perdi um sobrinho num acidente aéreo. Estive, com meus outros irmãos, junto do meu irmão e cunhada, que perderam o filho, desde os primeiros noticiários. Nas primeiras horas, não se pode dizer que haja otimismo, mas esperança, muita esperança. Primeiro, de que ele não tivesse embarcado. Depois, que tivesse sobrevivido. Mas passado algum tempo, que seu corpo fosse reconhecido. O reconhecimento é muito importante. A família quer ter a certeza de que realmente seu filho partiu.
Mas concordo com você, que nessas tragédias é difícil entender que haja otimismo.
Beijos

Mundo de Alice disse...

sabe que eu sou brasileira e sempre tenho a fé e esperança de que tenha sobrevivido alguém!!!
não tenha medo de voar!!!é muito mais seguro que carro
bjs

Kláudinha disse...

ai amiga.... nós vamos voar no Domingo... sabes? eu não tinha medo nenhum dantes... nem mesmo de eu própria morrer... mas desde que nasceu o Piratinha... não posso deixar isso acontecer e tenho tanto medo... principalmente porque ele vai comigo... e sentir-me-ia tão culpada se algo lhe acontecesse.... mas temos que pensar positivo.. e pensar nas férias espectaculares que podemos ter... uma semaninha de sonho na companhia da nossa familia de piratas... tantas aventuras e mimos e gargalhadas... estou muito nervosa... mas há de correr tudo bem...se deus quiser...

Isabel disse...

Comunicaram avaria sim, durante 10 minutos o aviãi enviou mensagens automáticas de avaria eléctrica para França. Por isso é quase certo ter-se tratado de uma conjugação de factores climatéricos e avaria técnica que provocou a tragédia.
O povo brasileiro, felizmente, é ótimista por natureza e seria muito bom que eles estivessem certos e ainda encontrassem sobreviventes! Como eles próprios dizem Deus é brasileiro.
Bjs

Cláudia M. disse...

Olhem, eu tb nem sei o que dizer. Eu tenho sofrido com isto como se alguém meu conhecido tivesse embarcado também.
Espero não ter "ofendido" nenhum brasileiro/a, não foi essa a minha intenção, mas não pude deixar de ficar surpreendida que ainda continuassem a acreditar, apesar de todas as evidências.
Já hoje ouvi que o governo brasileiro ainda não fala de vítimas. É certo que ainda não apareceu nenhum corpo, mas desculpem-se a "frieza", mas nesta altura é impossível encontrar alguém com vida.

Mana, eu sei que houve recepção de mensagens de avaria, mas automáticas. Era isso que eu queria dizer: o próprio piloto não teve tempo (ou condições técnicas) para comunicar problemas.

E ainda bem que o povo brasileiro é alegre e optimista por natureza, esse é um dos seus principais encantos. :)

Bjs

Cláudia M. disse...

Heloísa,
lamento bastante a sua perda. Deve ser realmente uma situação horrivelmente angustiante. Claro que numa 1ª fase é natural que a esperança prevaleça, é a única forma de arranjar algum consolo.
E a questão de resgatar o corpo é tb mto importante, mas neste caso duvido que isso venha a acontecer.

Estas tragédias mexem muito comigo, tal como diz a Mari, não posso deixar de pensar não só nas pessoas vitimadas, como também nos seus familiares, que sofrem também imenso.

Eu sei que a estatística diz que isto acontece em não sei quantos milhões de voos, mas o que interessa a estatística para aquelas pessoas que embarcaram no fatídico voo?

Bjs para todas.

Cláudia M. disse...

Alice, vc tem razão. Acidentes de carro acontecem a todo o instante, mas estes causam maior impacto, não é?

Kláudinha, é isso que tens que fazer: pensar nos aspectos positivos, pensar no quanto te vais divertir (tu e os piratas). Se pensarmos bem, em qualquer lado ou momento nos pode suceder alguma coisa. Eu tb ando com mta vontade de viajar, mas confesso que estas notícias me fazem hesitar um bocado.

Olha, boa viagem e tira muitas fotos, ok?

Bjs

Noémia disse...

Quando vejo acidentes destes também me retraio bastante porque tenho medo de voar.
Quem diria não? Mas o facto é que o que adoro viajar é maior que o medo!
Já passei nesta zona onde o avião caiu, quando vinha da Argentina. É absolutamente apavorante a trepidação e turbulência nesta zona do Equador!O que me valeu é que nesta altura viajava completamente "drunfada" com betabloqueadores do sistema nervoso central que não me deixavam sentir medo porque a "coisa" durou cerca de 2h.
Já disse ao meu marido que temos que começar a viajar em aviões diferentes!...

Cláudia M. disse...

Ai Noémia, que medo! 2 horas de trepidação?? que horror! Será que o meu coraçãozinho aguentava?

Eu tb para fazer viagens grandes, só drunfada, e bem!! E eu que queria ir ao Brasil, ao Chile, a Angola, etc., etc.

Não sei, não! :(

Claudia disse...

Claudia,

Otimismo, fé, esperança são palavras que combinam totalmente com o povo brasileiro. Nunca vi nada igual e eu amo isso. No Brasil é quase um crime ser pessimista, uma agressão, hilário... Somos todos muito otimistas. Mas no que diz respeito a possibilidade de sobreviventes de um acidente de avião é mais a fé cega do povo. Algumas vezes eu sinto falta de uma certa frieza na análise. Os brasileiros ficam adiando as más notícias...

Mas olhe, alguém escreveu isso, aviões ainda são mais seguros do que automóveis.

Beijos,

C.

Cláudia disse...

Cláudia, fiquei feliz em ver o seu comentário no meu blog! Que saudades de nossas conversas por email! Que bom que estão todos bem, assim como aqui. E este desastre de avião tem tomado todos os notíciários e tenho acompanhado pois gosto muito de jornalismo. Mas acho que os brasileiros, pelo menos o que vi na televisão e jornais, não estavam assim tão cegos com relação aos fatos. Tirando o otimismo cultural, apenas os parentes tiveram esperança enquando não sabiam de tudo ainda. Depois é claro que não podia haver, infelizmente!

um beijo grande pra vc, sua filhota e sua irmã!