terça-feira, 30 de setembro de 2008

Flávia, vivendo em coma...



Venho alertar todos os que passem por aqui para a situação de uma menina brasileira - Flávia - que se encontra em coma vigil desde 6 de Janeiro de 1998, quando sofreu um acidente na piscina do prédio onde morava: os seus cabelos foram sugados pelo sistema de sucção (demasiado potente para as dimensões da piscina), ela acabou por ficar ali presa tempo demais, até que teve uma paragem cardiorespiratória, que lhe provocou danos irreversíveis (tinha 10 anos na altura do acidente, hoje já está com 20).


Esta é uma história verídica que podem confirmar no blog que a Mãe da Flávia, Odele, criou para divulgar a situação da filha, pois há 10 anos que está à espera que seja feita justiça, já que todas as entidades envolvidas estão a querer esquivar-se a assumir as suas responsabilidades. É uma vergonha. Esta mãe tem que cuidar da filha 24h por dia, com muitas despesas, obviamente. Mas não é dinheiro que ela pede, aliás ela diz expressamente no blog que não aceita donativos, o que ela quer é que este caso seja divulgado o mais possível, e que os responsáveis sejam punidos, e lhe dêem as indemnizações de que ela necessita para poder cuidar da filha condignamente.


Durante este mês de Setembro Odele organizou uma Blogagem Colectiva (para protestar contra a lentidão com que está a decorrer o processo), e conseguiu reunir o apoio de 250 blogs, de vários países do mundo, muitos dos quais de Portugal. Eu já não fui a tempo de participar nesta iniciativa (soube deste caso há poucos dias), mas já me disponibilizei para futuras iniciativas.


São situações trágicas que podem acontecer a qualquer um de nós, e toda a solidariedade é bem-vinda. Aliás, no blog estão referidos vários casos que já aconteceram, com crianças e adultos, alguns dos quais com desfechos fatais. Aliás, como sabem, tb aqui em Portugal já aconteceram acidentes trágicos em piscinas e parques aquáticos, quase sempre por incúria dos responsáveis pela manutenção dos equipamentos que, com a sua irresponsabilidade, provocam a tragédia em muitas famílias.


Para cúmulo, no caso de Flávia, chegaram a acusar a própria mãe de ser co-responsável pelo acidente! Segundo Odele, a menina sabia nadar com desenvoltura, tinha 10 anos, 1,50m (a piscina tinha 95cm de profundidade) e estava acompanhada pelo irmão de 14 anos e mais dois amigos dele.


Podem ver os pormenores do sucedido com a Flávia e a luta da sua mãe para que se faça Justiça no blog Flavia, Vivendo em Coma...


Vamos ser solidários.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Flores de Outono

Apesar de o Outono já se ter instalado (mais nalguns lugares do que noutros...), ainda se podem ver aí pelos jardins algumas belas flores, a lembrar-nos que não é só na Primavera que nos podemos alegrar com a sua presença.


«O amor pode ir em qualquer direcção. Eu consigo sentir amor:

Pelo próprio processo da vida em si.
Pela alegria de estar viva.
Pela beleza que vejo.




Por outra pessoa.
Pelo conhecimento.
Pelo processo da mente.
Pelo corpo e a forma como funciona.
Pelos animais, pássaros e peixes.
Pelo mundo vegetal sob todos os seus aspectos.



Pelo Universo e a forma como funciona.

O que é que pode adicionar a esta lista? »

Louise Hay, Pode curar a sua vida


(Estas podem ser apreciadas no Parque das Nações, nos Jardins Garcia de Orta.)


sábado, 27 de setembro de 2008

Festa na "aldeia"

Hoje em Alverca houve uma festinha muito simpática, a Feira de Artesanato, Doçaria e Arroz Doce. (A palavra Artesanato, no cartaz, está em letras roxas, e mal se vê, mas está lá, garanto! Por acaso esqueci-me de tirar fotos das bancas do dito artesanato... fiquei mais entusiasmada com o arroz doce... não, não foi SÓ isso, foi mesmo esquecimento.)

Eu só soube do evento hoje de manhã, ao ver uns cartazes afixados numas árvores!?! perto do local onde decorreu a Feira.

Não é o caso deste, este estava num placard junto ao parque infantil.




Houve folclore e tudo! Actuou o Grupo Etnográfico de Danças e Cantares de Alverca do Ribatejo. Lamento dizer que desconhecia a existência deste grupo, apesar de morar em Alverca há 5 anos!







Aqui eram as tendinhas onde se vendia o arroz doce, e outras espécies de doçarias.




GANDAS GULOSAS!
Estava tão bom... e só custava 50 cêntimos! É o que se chama juntar o útil ao agradável.


E pronto, assim se passou uma bela tarde, ainda por cima com um belo solzinho a aquecer-nos.

Entretanto o sol já se foi, e chegou a chuva. É o que se chama um dia completo!

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Bolo Cremoso de Cenoura

Depois de ver o Bolo Cremoso de Cenoura feito pela Ameixa (inspirado na receita do Tachos de Ensaio), e como até tinha bastantes cenouras em casa, resolvi experimentar. (Não fiz a cobertura de chocolate da Marizé, mas para a próxima vou experimentar - a foto dela está escandalosa).

Os ingredientes que utilizei foram:
3 cenouras
3 ovos
1/2 chávena de óleo de girassol
1 iogurte natural
3 chávenas de farinha (mal cheias)
3 chávenas de açúcar amarelo
1 colher chá de canela
1 colher chá de fermento
1/3 de tablete de chocolate (ralado)

A receita original pedia para ralar as cenouras, mas eu costumo usar um "truque" para tornar essa operação mais rápida, que é triturar as cenouras na "123". Claro que não basta 123, tem que se insistir mais, mas fica com uma consistência muito boa, e como ainda por cima era para bater de seguida com a varinha mágica, achei desnecessário o trabalho de usar o ralador.

Misturei a cenoura com os ovos, o óleo e o iogurte, e com a varinha mágica, bati até obter um preparado homogéneo.
Peneirei a farinha e o fermento , acrescentei a canela e o açúcar. Junta-se ao preparado de cenoura e envolve-se muito bem com uma espátula de borracha.

Em vez das pepitas de chocolate da receita original, optei por ralar aproximadamente 1/3 de uma tablete de chocolate, e juntei ao preparado anterior.
Usei uma forma de buraco, levei ao forno pré-aquecido durante cerca de 40m (180º).




Ficou uma delícia, e asseguro que o aspecto ficou bem melhor do que mostram estas fotos.

Segue abaixo um pormenor do interior:




Peço desculpa pela (falta de) qualidade das fotos; vou pedir ao Pai Natal para me oferecer uma máquina fotográfica. É melhor começar já a pedir, para ele ir juntando o dinheirito...

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Os Portugueses (vistos do estrangeiro...)

Durante as últimas férias, li o Rio das Flores, do Miguel Sousa Tavares. Que sítio melhor do que o Alentejo para ler um livro com 608 páginas?

Acontece que resolvi não falar nele na Academia, porque estou "zangada" com o autor (aliás, ele está raladíssimo com isso, como se pode imaginar...). Claro que devemos separar o autor da obra, mas pronto, não me apeteceu. Pode ser que ainda mude de ideias. Até porque gostei do livro.

Entretanto, não resisto a transcrever uns excertos sobre a opinião dos ingleses (e dos romanos) sobre o nosso povo.

Isto vem na sequência de uma das personagens - Diogo - pensar que os "velhos aliados ingleses" iriam de alguma maneira opôr-se ou tentar combater a ditadura implantada em Portugal em 1926. Estava enganado!

Acima de tudo, os amigos ingleses manifestavam um profundo desprezo por Portugal e pelos portugueses, esse povo sobre o qual, segundo rezava a lenda, já os romanos, dois mil anos antes, haviam estabelecido que "não se governam nem se deixam governar".
(...)

Segundo o embaixador inglês em Lisboa, Sir Charles Barclay, escrevendo ao Foreign Office em 1929, «a nação portuguesa, em parte devido à grande mistura de sangue negro, e em parte devido ao enervante clima*, é física e mentalmente degenerada... incapaz de um esforço regular ou de um raciocínio lógico». (...) «se a exterminação sem dor de uns milhares de habitantes de Lisboa fosse possível, o resultado seria provavelmente bem mais auspicioso».
(* imaginem, um inglês a achar o nosso clima enervante! Que lata!)

Caramba, o homem não era nada radical... vá lá, seria sem dor... que gentil!

Como se isto não bastasse, outro ilustre inglês, R. A. Gallop, (...) pela mesma altura, publicou num opúsculo intitulado Notas sobre o Carácter Português (...) as seguintes opiniões sobre os naturais desta nação valente: um povo que, além do hábito generalizado de cuspir na rua e «satisfazer em público as necessidades vitais mais vis», era tolerante «com a porcaria, a distinção racial, a deformidade e doença dos mendigos», embora fossem «excepcionalmente amigos das crianças e, para um povo do Sul, dos animais». Tolerantes com os negros e com os animais: degenerescência e virtude, ao mesmo tempo.

Como se pode ver, estamos (estávamos?) muito bem vistos pelos ilustres ingleses! Acho que ainda estamos um bocadinho... e às vezes com razão, infelizmente.

Mas há uma coisa com a qual concordo: infelizmente, ainda se mantém esse hábito nojento de cuspir na rua a torto e a direito! acho que se devia pagar multa (e das pesadas) por esse acto disgusting!! Que porcalhões! Aliás, já tenho chamado porco (geralmente são os homens, não é?) quando vejo fazer isso. Um dia destes apareço com um olho negro...

Família prendada

Como se pode ver abaixo, tenho uma família muito prendada!


A minha irmã bordou esta linda Kitty numa toalha de banho para a sobrinha. Escusado será dizer que ela adorou! Aqui está só um pormenor, também tem o nome, com umas letras vermelhas muito bonitas.





Há umas boas décadas atrás, a minha mãe bordou esta bela toalha de mesa, que continua bonita e em bom estado até hoje. Aliás, a minha mãe tem uma colecção enorme de trabalhos manuais; os mais impressionantes para mim são aqueles lençóis com umas rendas enormes (lindas...), feitas com aquela linha muito fininha, que devem ter levado muuuitas horas a fazer, e uma grande dose de paciência. Outros tempos...



Eu por acaso também já tenho feito umas coisitas engraçadas em ponto de cruz (ultimamente não tenho tido muita pachorra, mas aqui há uns aninhos atrás fartei-me de fazer uns bordadinhos jeitosos - modéstia à parte - mas não tenho fotos. Vou tratar disso.)

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

«Eu li e amei!»



A queridíssima Cláudia do Doces Encontros presenteou-me com este prémio, e de caminho teceu-me uns elogios que até fiquei "encabulada", para usar uma expressão brasileira, já que a Cláudia é a minha amiga virtual brasileira, embora a considere uma "amiga de verdade". Obrigada, Cláudia.


Entretanto, é suposto passar o prémio a outras 5 pessoas, que na nossa opinião tenham blogs que valem ouro.


Porém, antes de o fazer, quero aproveitar para pedir desculpa à amiga Anabela (Cenourita), já que ela há uns dias atrás tb me tinha oferecido este prémio, junto com outro, o Prémio Dardos. Eu na altura só me apercebi que estava na lista deste último. De qualquer maneira, muito obrigada, Cenourita, fico muito grata.


Sendo assim, cá vão as minhas escolhas:


Carmo, do blog Mel de Vespas. Gosto bastante deste blog, composto por belos textos literários escritos pela própria Carmo que, diga-se de passagem, escreve mesmo muito bem.

Isabel, Vai melhorar. Um blog bastante interessante, onde se podem ler opiniões, reflexões, sugestões, desabafos, sobre os mais variados temas, como cinema, livros, Lisboa, flores, e muitos outros temas que vão surgindo no dia-a-dia.

Márcia, Ideias à la carte. A Márcia é brasileira, e tem um blog de culinária bastante interessante, e ela própria é uma pessoa bastante simpática e fofa, é um prazer ler os seus posts com receitas e histórias.

Sara, Nas Tintas. É um blog muitíssimo interessante, com duas vertentes: é composto por óptimos textos literários criados pela autora, acompanhados de belíssimas ilustrações também da sua autoria.

Saltapocinhas, Bruxinha do Lar e Fábulas. O primeiro é um belo blog de culinária, com receitinhas "do outro mundo", da autoria da Saltapocinhas e outras amigas; o Fábulas é mais de opiniões sobre temas vários, sobretudo Educação.
E pronto, espero que gostem do prémio. Eu adoro todos os vossos blogs, continuem o excelente trabalho.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Sabedoria interior


Continuando na senda da Louise Hay, e como também estou em processo de cura interior, cá vai mais um excerto do livro «Empowering Women», que em português tem como título o mais sonante O Despertar de uma Nova Mulher. É tipo aquelas traduções de que fala aqui a minha irmã. (Eu sei que não é um título fácil de traduzir, mas há sempre aquela tendência para títulos com mais floreados do que o original...)
«É fundamental que nos lembremos sempre que aquilo que pensamos e dizemos se transforma nas nossas experiências. Como tal, estaremos atentos aos nossos padrões de pensamento e às nossas palavras de forma a podermos moldar as nossas vidas de acordo com os nossos sonhos. Nós podemos dizer melancolicamente: "Ah, quem me dera ter..", ou "Se eu pudesse ser...", mas nesse caso não estaremos a usar as palavras e os pensamentos que podem, de facto, tornar esses desejos uma realidade. Em vez disso, visualizamos o pior. Pensamos todos os pensamentos negativos que conhecemos e depois perguntamo-nos porque é que as nossas vidas não estão a funcionar como gostaríamos.

Nós queremos descobrir os nossos Recursos Interiores e a nossa Conexão Universal - essa Grande Fonte Central de toda a vida. Nós queremos encontrar e usar o nosso Âmago Interno. Todos nós temos um tesouro de sabedoria, paz, amor e alegria dentro de nós. E eles estão só à distância de uma inspiração. Eu acredito que dentro de cada um de nós está uma fonte infinita de paz, alegria, amor e sabedoria. Quando digo que está apenas à distância de uma inspiração, quero dizer que tudo o que temos de fazer para nos ligarmos a esses espaços interiores é fechar os olhos, respirar profundamente e dizer para nós mesmos: "Eu vou agora para aquele espaço dentro de mim onde há sabedoria infinita; as respostas que eu procuro estão dentro de mim."

Todas as respostas para todas as perguntas (...) já estão dentro de nós. Só precisamos de algum tempo para nos ligarmos. Esse é o valor e a importância da meditação. Acalma-nos de forma a podermos ouvir a nossa própria sabedoria interior. »
Quem precisar de mais paz interior, siga estes conselhos. Vai ver que resulta. Nem que seja ao fim de muitas tentativas...

Prémio

A Amiga Cenourita brindou-me com este prémio, o qual desde já agradeço. Chama-se Prémio Dardos e tem algumas regras, mas lamento informar que não vou cumprir todas... sorry

As regras são:
- Reconhecer os valores que cada blogueiro mostra a cada dia, o seu empenho por transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc... em suma, demonstram criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre as suas letras, entre suas palavras...
- Aceitar e exibir a distinta imagem e cumprir as regras- Linkar o blog do qual recebeu o prémio
- Escolher 15 blogs para entregar o prémio Dardos.

Ora é aqui que eu vou "quebrar" as regras, por dois motivos: em primeiro lugar, tal como disse a Cenourita, já vi este prémio em muitos dos blogs que visito; depois, nomear 15 pessoas/blogs (que ainda não o tenham) é obra! É muita obra, mesmo. Então, resolvo "premiar" todos os amigos/as que me visitam e que eu visito, porque isso é sinal que gosto dos seus sítios e aprecio essas pessoas, e lhes reconheço qualidades.


sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Despertar (com pensamentos positivos)


« Como muitos de vós sabem, é minha convicção que os pensamentos que nós pensamos, as palavras que nós dizemos e as crenças que nós mantemos são muito poderosos. Eles criam as nossas experiências e as nossas vidas. É quase como se, de cada vez que pensamos um pensamento ou dizemos uma palavra, o Universo nos escutasse e nos respondesse.

Assim, se há algo na nossa vida de que não gostamos, então nós temos o poder de fazer mudanças. Nós temos o poder dos nossos pensamentos e das nossas palavras.

À medida que mudamos a nossa forma de pensar e as nossas palavras, as nossas experiências também mudam.

Não importa de onde viemos, não importa como foi difícil a nossa infância, nós podemos fazer mudanças positivas hoje.

Este é um conceito poderoso e libertador, e na medida em que acreditamos nele, ele torna-se verdadeiro para nós. Para mim, esta é a forma de abordar todos os assuntos. Primeiro, fazemos as mudanças nas nossas mentes, depois, a vida responde-nos em concordância. »

Louise L. Hay, Empowering Women

Acredite, se quiser. Eu acredito.
No programa da Oprah, que passou ontem na Sic Mulher, uma das convidadas era a Louise Hay, autora de belos livros, o mais importante dos quais «You can heal your life». Como sou apreciadora dela e das suas teorias, resolvi prestar-lhe aqui uma pequena homenagem.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Obras de «restauro»

Caras amigas, amigos, e visitantes em geral: venho informar que esta loja e a dona da loja vão estar temporariamente «encerradas para obras». Espero que seja um encerramento breve, e espero voltar de cabeça lavada. Já sabem que qualquer assunto da Academia está (muito bem) entregue à Ameixinha. Vou tentar voltar cheia de energia depois desta pausa. Entretanto, leiam muito, divirtam-se e sejam felizes.
Até já.