sábado, 25 de fevereiro de 2012

Mimi

^.^
(Post da Mimi) 


Olá a todos! Há muito tempo que não tinha tempo de antena neste blog!
Estava na altura de vir contar o que tenho feito. :)
Basicamente têm sido duas coisas: uma é estar à janela a apanhar sol, a observar os pássaros, e a sonhar em ferrar o dente em algum deles.




Como têm estado uns dias bem ensolarados, tenho aproveitado bastante. (sempre sob vigilância...)


E a outra actividade é... dormir. Esta então ocupa-me imeeenso tempo, cerca de 70% do meu dia é dispendido nesta actividade extenuante.


Às vezes fico assim um bocadinho triste.




Sabem porquê? Tenho saudades do meu mano.

Dos abracinhos...


Dos lambeijinhos...



Das sestinhas...



E das brincadeiras, e de corrermos pela casa que nem doidos...
Snif. :(


Mas vou confessar uma coisa: eu tinha um bocado de ciúmes dele, porque ele era o dono disto tudo. Ora vejam:



Foi o primeiro a estrear a cozinha nova. Ainda o lava-loiças estava embrulhado no plástico, e ele já lá estava refastelado! Um abusadinho! :))



Não é que eu seja alguma santinha.. mas quando faço algum disparate fico com este ar... ele não, fazia tudo no maior descaramento!




Às vezes tinha que fazer cara de má para o pôr na ordem!

Mas voltando ao presente.
Agora estes humanos têm a mania de me pegar ao colo. Eu já lhes disse que não gosto NADA disso, mas eles teimam...

que chatice, pá!


Eu gosto é de dormir umas sestinhas com a minha amiguinha humana júnior. Isso sim!



 E cá vou aproveitando o solinho, nem que seja atrás dos vidros.



 Vida de gato, realmente, não é nada má...

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Pedalar pelo Tiago - gestos de solidariedade

Esta postagem tem dois objectivos:
  • O primeiro é o de continuar a mostrar que em Portugal também acontecem coisas boas! Se bem que este caso mostra a face e o verso da moeda... o bom aqui é a solidariedade que se gerou, mas a verdade é que aquilo que foi feito pelos cidadãos era, de acordo com a lei, obrigação do Estado. Mas a cada dia que passa vamos sabendo melhor que em muitos casos não podemos ficar à espera que o Estado resolva tudo, e há que encontrar outras soluções. E nisso nós, portugueses, até somos peritos. :)

  • O segundo objectivo, e mais importante, é o de divulgar a história do Tiago.

O Tiago é um menino de pouco mais de um ano, que nasceu com a síndrome de Klippel-Trenaunay, uma doença rara, com cerca de mil casos em todo o mundo e apenas dois em Portugal.

«Trata-se de uma malformação congénita que se dá na 26.ª semana de gestação e que se caracteriza sobretudo por problemas no sistema venoso.

No caso de Tiago, centra-se na perna esquerda, que, segundo a mãe, "pode vir a ter de ser amputada", se o problema não for devidamente tratado.
"A perna incha muito e cresce mais do que a outra. Em Portugal, a única solução que me deram foi a colocação de uma meia elástica, para retardar o crescimento desproporcional da perna", referiu.
A esperança dos pais reside agora no Children`s Boston Hospital, nos Estados Unidos, onde trabalha uma equipa de especialistas dedicada ao estudo daquela doença e ao tratamento de muitos dos seus sintomas.
O problema é o custo dos tratamentos.
"Só para a primeira consulta, são necessários 1.500 euros. E isto sem contar com viagens, alojamento e refeições", referiu a mãe.»

Iniciativa solidária

«Foi para angariar verbas para o tratamento do Tiago [através da criação e divulgação  de uma conta solidária]  que Mark Sewell, um inglês com casa em Fontoura, Valença, teve a iniciativa de promover um pedalada solidária.
Na bicicleta, carrega uma caixa [um baldinho, como se vê na reportagem], onde os transeuntes podem depositar os seus donativos.
O também inglês Chris Ambler associou-se à iniciativa desde a primeira hora, contando o "pelotão" desde 28 de setembro com mais um elemento, o português Luís Aguiar [que percorreu ainda 800km do percurso].»

E já que, neste como em outros casos, as imagens podem valer mais do que as palavras, peço que assistam a esta reportagem, que passou na televisão portuguesa, sobre a história do Tiago.


A campanha de solidariedade para com o Tiago também está no Facebook:

http://www.facebook.com/pages/Pedalar-pelo-Tiago/234782869899415

Aqui  fica o link http://b2bornot2b.blogspot.com para o blog onde foram registadas as etapas da viagem de bicicleta feita entre o Reino Unido (Brighton) e Portugal, num total de 4.500km, com o objectivo de divulgar a história do Tiago e recolher fundos que permitissem a sua deslocação aos Estados Unidos, onde existem tratamentos inexistentes em Portugal.
O Tiago viajou para os Estados Unidos no dia 31 de Janeiro, graças, em grande parte, a esta grande campanha de solidariedade que se gerou à sua volta. Isso deixa-nos orgulhosos, enquanto povo, enquanto Gente! Mas... não posso terminar sem lamentar que os pais do Tiago só tenham começado a ser tratados como Gente, nomeadamente no hospital onde o menino era seguido, depois da intervenção da Presidência da República, e depois de o caso se ter tornado mediático... Mas concentremo-nos na parte boa: o Tiago está agora no local apropriado para fazer os tratamentos de que necessita, e isso é o mais importante.
Fontes: várias publicações da imprensa portuguesa, em especial RTP.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Notícias do meu país - II

Então e coisas boas, não há? Claro que sim!

Aqui fica um exemplo:

Temos investigadores que têm vindo a desenvolver um trabalho notável, e o trabalho de alguns deles tem sido muito justamente valorizado e premiado.
É o caso dos trabalhos dos investigadores:
  • Sérgio Fernandes Almeida/Maria Carmo-Fonseca, (do Instituto de Medicina Molecular)
  • Elsa Logarinho/ Helder Maiato,  (do Instituto de Biologia Molecular e Celular da Universidade do Porto).
  • João Barata  (do Instituto de Medicina Molecular)
que recentemente foram premiados com o Prémio Pfizer 2011 (link).


«A edição de 2011 dos Prémios Pfizer recebeu o maior número de candidaturas de sempre (54 trabalhos de Investigação Básica e 39 de Investigação Clínica). O ano assinalou também o 55º aniversário do galardão

Sem qualquer desprimor para os restantes, gostava no entanto de destacar o trabalho de João Barata, já que o resultado das suas investigações pode levar no futuro à diminuição de um flagelo que temos visto acontecer cada vez com maior frequência, e que é o surgimento de leucemia em crianças. E se nos adultos é muito complicado, em crianças a situação torna-se ainda mais dramática.

Esperemos então que este estudo tenha bons resultados a nível prático.

Citação:
«A leucemia linfoblástica aguda de células T é um cancro do sangue especialmente frequente em crianças, que se caracteriza por um aumento descontrolado do número de linfócitos T (que são glóbulos brancos, células específicas do nosso sistema imunitário). O nosso estudo identificou um conjunto de mutações até agora desconhecido - presentes em cerca de 9% dos doentes com leucemia estudados - e mostrou que estas mutações podem estar na origem do mesmo tipo de tumores. As mutações agora identificadas ocorrem num gene que codifica para uma proteína que se localiza à superfície das células T, chamada receptor da interleucina 7. Esta proteína distribui-se ao longo da superfície da célula e contacta tanto com o meio exterior como com o interior da célula, constituindo assim um elo de passagem de informação química do exterior para o interior da célula. (...).
A nossa investigação permitiu descobrir que as células cancerígenas de alguns doentes pediátricos com leucemia T contêm o receptor mutado, e que a mutação do receptor faz com que este deixe de necessitar da informação exterior, isto é, da ligação da interleucina 7, para promover a multiplicação celular. Como resultado, as células T multiplicam-se descontroladamente, originando um tumor. Para além de caracterizarmos o modo pelo qual as mutações funcionam, de forma a promover o crescimento da leucemia, identificámos também um conjunto de fármacos, já testados noutras doenças, como na artitre reumatóide, que pode ser eficaz na eliminação do efeito das mutações, levando à morte das células que as possuem. Em resumo, este estudo identifica não só mutações num gene essencial do sistema imunitário e que estão associadas ao desenvolvimento de leucemia infantil, como também aponta potenciais aplicações terapêuticas futuras resultantes desta descoberta.»

É uma grande esperança, pelo menos a médio prazo, para muita gente que tem que passar por estes momentos dramáticos.

**********

No entanto, isto não podia ficar por aqui. Tenho uma reclamação a fazer. Isto hoje era só para mostrar o lado bom, mas a realidade quotidiana sobrepõe-se.

Hoje a minha mãe teve que recorrer aos serviços de urgência do Hospital de São José (Lisboa). Entrou no hospital cerca das 13h45, e na triagem foi-lhe atribuída a pulseirinha com a cor amarela, equivalente a uma situação URGENTE.

Existem 5 cores:
  • vermelho, para EMERGÊNCIA
  • laranja, para MUITO URGENTE
  • amarelo, URGENTE
  • verde, POUCO URGENTE
  • azul, NÃO É URGENTE
Nem sequer se trata de pôr em causa a cor que lhe foi atribuída, embora os seus antecedentes requeressem, na minha opinião, outra avaliação. Estava com alguma dificuldade em respirar, já teve, há cerca de um mês e meio, uma situação de internamento de 10 dias devido à presença de líquido na pleura, e portanto o nosso receio era que a situação fosse idêntica, uma vez que,  tendo insuficiência cardíaca, tem propensão para essa acumulação de líquido.

Mas do que eu reclamo mesmo é do tempo de espera: num quadro que é actualizado de hora a hora com o tempo previsto de espera, estava registado 1h35m para a cor amarelo (URGENTE!). Acontece que acabou por ser chamada para ver vista pela 1ª vez quase duas horas e meia depois de ter feito o registo de entrada. :/

Eu juro que não queria estar sempre a dizer mal de tudo, mas isto é normal? Uma situação considerada URGENTE na triagem, e com estes antecedentes já referidos, além de um enfarte em setembro passado, repito, isto será normal?
Depois chamam-nos piegas quando nos queixamos... e quando dizemos que os nossos hospitais públicos, em alguns aspectos,  funcionam a nível de terceiro mundo...
(são neste momento 18h50, acabei de falar com a minha irmã, que está neste momento a acompanhar a mãe, e estão à espera dos resultados das análises e dos exames... e entretanto o tempo de espera no tal quadrozinho subiu para 3h30!!!!!)

Eu juro que gostava de ter mais coisas boas para dizer do meu país...

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

«Notícias do meu país...»

Como estive algum tempo sem aparecer por aqui, algumas amigas blogueiras brasileiras pediram-me "notícias do meu país". Aproveitando a deixa... aqui ficam elas.

Bem, a verdade é que as notícias por aqui não são as melhores... e porquê?

Em 1º lugar, estamos debaixo da enorme pata de uma fera medonha que responde pelo nome de Troika.
TROIKA é a palavra russa que designa um comitê de três membros. A origem do termo vem da "troika" que em russo significa um carro conduzido por três cavalos alinhados lado a lado, ou mais frequentemente, um trenó puxado por cavalos. Em política, a palavra troika designa uma aliança de três personagens do mesmo nível e poder que se reúnem em um esforço único para a gestão de uma entidade ou para completar uma missão, como o triunvirato histórico de Roma.

A «nossa» troika tem estes três tentáculos:
  • Comissão Europeia
  • Banco Central Europeu (BCE) 
  • Fundo Monetário Internacional (FMI).

(medooooooooooo.......)

«É a troika que irá avaliar as contas reais de Portugal para definir as necessidades de financiamento do país.»

Pelos vistos as nossas contas reais não estavam grande coisa, porque neste últimos meses temos sido flagelados por toda a espécie de apertos de cinto, desde os mais previsíveis aos mais inimagináveis.
A população em geral e a  Administração Pública em particular tem sido brindada com presentes do tipo:
  • corte do 13º mês (subsídio de Natal)
  • corte do subsídio de férias
  • cortes nos salários e pensões de reforma;-
  • flexibilização das leis laborais e redução das indemnizações por despedimento;
  • redução dos apoios sociais, nomeadamente do subsídio de desemprego;
  • aumento da idade da reforma;
  • aumento de preços dos transportes públicos;
  • privatização de empresas públicas como a Caixa Geral de Depósitos, TAP (transportadora aérea, RTP (radio televisão portuguesa) e CTT (correios);
  • reforma do Estado e redução da despesa através da fusão ou extinção de serviços e/ou redução do número de funcionários públicos;
Estes são apenas alguns exemplos, mas poderíamos continuar e continuar...

Depois, como se isto não bastasse, temos um primeiro-ministro mais troikista que a troika (as palavras não são minhas, ouvi-as por exemplo à Ana Gomes), que quer fazer o papel de menino bem comportado perante os tais cavalheiros, e vá de congeminar medidas e mais medidas que vão ainda além do exigido pelos 3 da vida airada.

As «mais populares» do PPC são:
  • a abolição de 4 feriados nacionais, porque aqui a malta anda a produzir pouco...
  • a sugestão dada aos professores de procurarem emprego noutros países, porque isto aqui o pessoal já aprendeu tudo o que tinha a aprender...
  • isto tem que andar para a frente, «custe o que custar»
  • e a recente decisão de não conceder tolerância de ponto na 3ª feira de carnaval
(já imaginaram esta medida no Brasil? eheheh)


E agora, para finalizar, deixo aqui esta «Trova do vento que passa» (1963), uma canção que marcou uma época que pensávamos que já esta enterrada, mas afinal está a recuperar uma certa actualidade... e isso não é nada bom, quase que posso garantir.

Letra de Manuel Alegre, a versão mais conhecida é  cantada por Adriano Correia de Oliveira.

    Aqui na versão «Fado de Coimbra» 



E pronto, ele que me chame piegas, se quiser.


E agora vou ali ver se encontro notícias boas, e já venho... ;)

Fontes:
Wikipédia
http://politicaportugal.com/
youtube

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Diversidade ou uniformização?


Há uns dias vi um programa super interessante no canal Travel. Por estranho que possa parecer, esse programa foi um dos motivos que me levou a ter vontade de blogar de novo. E porquê? Porque fiquei cheia de raiva, e tive logo vontade de fazer um post sobre o assunto. Para desancar, que foi um dos primeiros objectivos deste blog. :) Sim, desancar. Em quem? Na União Europeia!!
Passo a explicar:
O tal programa era sobre a Turquia.

Istambul

Ora, como se sabe, a Turquia há uns anos que é candidata a entrar na União Europeia (http://europa.eu/about-eu/countries/candidate-countries/turkey/index_pt.htm). Até agora não foi aceite, o processo ainda está a decorrer. Um dos motivos pelos quais o processo se arrasta é por a Turquia ser acusada de desrespeito pelos direitos humanos, nomeadamente a liberdade de expressão, e inclusive manter presos políticos, o que é inadmissível numa democracia. Até aí, de acordo. Pode ver-se um exemplo do que acabo de dizer nas recentes declarações do escritor Paul Auster,  que recusou  deslocar-se à Turquia, em protesto contra esta situação.

Ancara, a capital. Créditos: www.bellenews.com

Mas... o meu assunto não é este. O meu objectivo hoje é dar um conselho à Turquia, aliás, implorar à Turquia: por favor, esqueçam a União Europeia - fujam enquanto é tempo!!!

Qual é então uma das obrigações que a U.E. quer impor à Turquia? Acabar com os fornos a lenha!!
Quer impor, ou já impôs, porque, segundo o programa de que falo - Chef Abroad -  essa imposição por esta altura é suposto já ter entrado em vigor. Será que entrou? Espero bem que não. E porquê?

Porque na reportagem, em que se pode ver o (giríssimo...) chef Michael Smith a visitar uma meia dúzia de cafés e padarias belíssimas, podemos ver o fabrico tradicional de pães belos e apetitosos, seguindo métodos milenares, entre os quais o uso do forno a lenha que, como toda a gente sabe (ou deveria saber) confere ao pão e à comida em geral um sabor diferente e inigualável. E devo dizer que estava tudo com um aspecto imaculado, não eram padarias de vão de escada... porque outra das obsessões da UE (e da ASAE...) é a higiene; em nome da defesa da higiene têm-se cometido verdadeiras barbaridades.

padaria tradicional http://www.istanbulsweethome.com
É frequente o local de confecção ser no centro do café ou restaurante, o que dá outra confiança ao cliente.

Mas não, não pode ser. A UE quer tudo normalizado, tudo feitinho em fornos a gás, porque os fornos a lenha podem ser prejudiciais à saúde (!!?!). Tudo igual em todos os países, tudo uniformizado, qual identidade própria qual carapuça, isso tem lá alguma importância? O que importa é que as grandes empresas que nos vendem o gás, os fornos a gás, e todas as outras coisas que nos tornam as ovelhinhas todas iguais da União Europeia, continuem o seu belo negócio. Lenha? Isso são coisas arcaicas, isso é passado... e isto é o que os grandes mentores destas uniões forçadas nos querem impingir. Ele é a moeda única (vejam no que deu o euro...), ele é a fruta etiquetada e normalizada, toda do mesmo tamanho e da mesma cor (e sem sabor), ele é um sem número de absurdos que nos são constantemente impostos. Arre, raispartam a União Europeia mais as suas estúpidas regras! 

vejam só o aspecto...
Este é o SIMIT, um pão tradicional turco. Depois de feitas as rosquinhas, são mergulhadas em melaço de amora e depois cobertas com semente de sésamo/gergelim. E depois, obviamente, cozidas em fornos a lenha. Segundo os padeiros/pasteleiros/cozinheiros entrevistados, "o sabor nunca será o mesmo". Claro!


«Queremos o pão a que estamos habituados»
«Posso perder tudo, mas não a nossa cultura alimentar»

Gozleme, outro pão tradicional turco, quase um crepe gigante.



Créditos das duas fotos mais pequenas (pão PIDE e pão SOMUN): http://mediterraneanturkishfoodpassion.blogspot.com/


Dá raiva ou não dá? A mim dá...

Estou tão fartinha da União Europeia!

*****

Recomendo: www.viajarcomgosto.com

*******
P.S.* - Este blog não aderiu ao Acordo Ortográfico (estou farta de imposições idiotas e sem sentido! Tenho dito.)


 *(por acaso é uma expressão em Latim (post scriptum), cujas marcas na língua portuguesa querem por força extinguir.)

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

1... 2... 3...
experiência

será que este blog ainda funciona?
:))