sábado, 19 de fevereiro de 2011

Chuva


São Peeeedroooooooo!!


Desculpe incomodar, mas gostava de saber se tem alguma previsão de quando é que vai parar de chover? Só assim por curiosidade, pronto... Se não for muito incómodo?? É que até eu, que até gosto de chuva (?), já estou sa-tuu-raa-daaaaaaaa!!






Estou toda enferrujada, doem-me os ossos... Piedade!

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Ego

Nada como a amabilidade de uma filha para levantar o ego de uma mãe!

Dez quilos a menos, uns belos cabelos, sapatos elegantes (cheira-me que isto deve ser algum recado...)*, uma tiara...

Bem, os pés estão um bocadito inchados, mas também não se pode exigir a perfeição... :))





* sou "alérgica" a saltos altos...

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Existirá algum adjectivo para qualificar isto??


Eu, muito sinceramente, nem sei como hei-de qualificar esta "situação". Aberrante?

O cúmulo dos cúmulos da indiferença? O cúmulo da solidão que esta "sociedade" nos pode proporcionar?

Não sei, não sei mesmo como definir isto. Só sei que fiquei em choque com a notícia, acho que disse umas dez vezes, se não mais, "eu não acredito nisto!"

Mas tive que acreditar, era mesmo verdade!
Como é possível, não sei. Ou talvez saiba, por outro lado até é "compreensível" (apesar de arrepiar dizer isto), direi antes, de certa forma "justificável" pela tremenda indiferença que nos rodeia, a indiferença das multidões perante o indivíduo.
Um horror!
Na falta de palavras para expressar melhor o que sinto, deixo os factos, crus, pelas palavras publicadas na Imprensa.

«Mulher esteve morta em casa nove anos»

Uma mulher esteve nove anos morta em casa. Vivia sozinha em Rinchoa, Sintra e, se estivesse viva, faria 96 anos na próxima semana. Apesar dos alertas dados por uma vizinha, a PSP só encontrou o corpo, dentro do apartamento, esta terça-feira, após este ter sido vendido num leilão pelas Finanças.

O cadáver esteve nove anos no chão da cozinha da casa onde vivia sozinha há 30 anos, na companhia de um cão. Nestes últimos nove anos uma vizinha, Aida Martins, tentou por diversas vezes alertar as autoridades para a situação e pediu mesmo para abrirem a porta do apartamento, o quarto andar direito.

Aida Martins deu por falta de Augusta Martinho em Agosto de 2002. A idosa de 87 anos deixou de ser vista e as cartas começaram a transbordar na caixa de correio. Na GNR disseram-lhe que não podiam abrir a porta. Foi preciso o apartamento ter sido vendido num leilão das Finanças, por causa das dívidas, para que tal acontecesse. Quem comprou não tinha chave e houve ordem de arrombar a porta.

Até ao momento as autoridades não se mostraram disponíveis para falar sobre este caso. Augusta Martinho faria 96 anos no próximo sábado. Tal como a dona, o seu cão de companhia foi encontrado morto na varanda.

Sem «mau cheiro»

Os vizinhos da idosa, afirmaram à Lusa que nunca sentiram maus cheiros que denunciassem a morte da octogenária.

«Nunca cheirou mal porque a varanda da cozinha estava aberta. E nunca ouvimos barulhos do cão que foi encontrado morto perto dela», disse Aida Martins.

Outra vizinha, Lurdes Marques, confirmou que nunca detectou maus cheiros no prédio, embora também tenha dado pela falta da vizinha.

Segundo afirmou à Lusa o comandante dos bombeiros de Agualva-Cacém, Luís Pimentel, o alerta para a retirada do corpo foi dado pela PSP às 15h50 de terça-feira.

Luís Pimentel adiantou que a idosa foi encontrada na cozinha, junto a um esqueleto de um cão: «O corpo estava deitado de bruços. Não havia maus cheiros e nunca ninguém disse nada».

Fonte da PSP disse que esta autoridade policial foi chamada ao local para abrir a porta do apartamento onde seria encontrada a idosa. «Fomos lá no âmbito de um processo de penhora das finanças. Isso permitiu o arrombamento da porta e deparámo-nos com um corpo em decomposição, quase em ossadas», disse.

Fonte: http://diario.iol.pt/sociedade/


No meio de toda esta situação tétrica, a única pessoa que demonstrou ser um ser humano foi a
vizinha a quem, infelizmente, ninguém deu ouvidos. Ainda foi ridicularizada!

Estive indecisa em deixar aqui ou não o seguinte vídeo, uma vez que somos obrigados a ver um pequeno filme publicitário antes da reportagem, mas mesmo assim acho que vale a pena. Eu adorei ver esta reportagem há pouco na SIC, são estas coisas que ainda me impedem de perder a fé na espécie humana.


terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Tranças


Esta é para a Heloísa. Depois de ler este texto, veio-me logo à memória esta foto, acho que é a única da Carol com tranças... mas adoro-a, que saudades deste tamanhinho, 3 aninhos... :))
(A qualidade da foto deixa um bocadinho a desejar, foi passada no scanner, era uma foto "tradicional", ou seja, em papel, coisa antiga......)

Eu própria não tenho ideia nenhuma de ter usado tranças, pelo menos não há registo fotográfico, mas naquele tempo até era habitual...

Por aqui ainda não me apercebi do regresso das tranças, mas eu às vezes ando um bocado distraída...

Heloísa, espero para ver a foto da Isadora de trancinhas. E sim, ela tem um cabelo muito bonito!